Vejam um ciclista, ele gosta de ajudar as pessoas e de preservar a natureza

Olá Visitante
 



 
Depoimentos



Autor: Lincoln Chagas
Data: 10Out2007
Fonte: E-mail

Título: Iron Biker 2007

Oi Janice. Concordo plenamente com você: este Iron tem que ser lembrado e festejado.Devemos e temos que alardear as nossas boas/ótimas aventuras e sucessos à todos para que assim fique incorporado em nossas mentes.
Este foi o meu 4º Iron e quase não ía depois daquelas confusões na prova do ano de 2006.Mas resolvi encarar o desafio e, desta vez, pilotando uma tandem com o meu parceiro Henrique (DV), que estava se recuperando de uma e não pedalava há mais de 20 dias.As dificuldades e incertezas foram muitas para que a Delegação dos DVs pudesse competir no Iron (a Andréia pode relatar melhor), mas não desistimos e superamos todos os obstáculos, claro, com a ajuda e participação de muitas pessoas.Um dos fatos mais marcantes foi nossa hospedagem na República Marangalha: tratamento VIP do início ao fim e com direito a convite para nova hospedagem no ano que vem ou a qq hora que passarmos por lá.Logo na sexta-feira, ao darmos uma voltinha de aquecimento pelas ladeira de OP, as dificuladades já se apresentavam: problemas com câmbio e corrente, prá variar. O Henrique também sentiu diante de uma daquelas ladeiras monstruosas e intermináveis.Era o começo e apontava para uma estratégia no dia seguinte:
completar o percurso e dentro do limite máximo estipulado para não sermos desclassificados.Porém, quando vem a largada, a adrenalina aumenta na corrente sanguínea e faz agenter desembestar e tirar forças de onde não sei.E assim foi no sábado, que era o dia mais longo e com grande desnível.Apesar do câmbio travado, do calor elevado, das subidas intermináveis e da falta de treinos, chegamos em um bom 4º lugar.
Era a hora de outra correria e começar a nos prepararmos para o segundo dia:
revisar a bike, trocar peças, conferir resultados e entrar com recurso (se fosse o caso), alimentar-se bem (principalmente o Henrique) baixar a adrenalina, relaxar e descansar.
A Delegação levantou cedo no segundo dia seguinte, e, na VANete Blue (outrora VANpira) do Cristóvão, fomos prá Mariana.Dada a largada, era só socar a bota e manter o 4º lugar ou até cair pro 5º quinto, que aí ainda daria um pódium certo, certo.Dinovo muitos obstáculos a serem superados.Depois de pedalarmos um bom percurso em 2º e estarmos a 12,5 km da chegada a corrente quebra!! Por mais de quarenta minutos tentamos consertá-la:em vão.Ali assistíamos passar, um a um, centenas de ciclistas.A pouco menos de cinquenta metros de nós outra tandem dos
DVs (Beto/Reginaldo) quebrara (era o quarto furo na câmara).Após estes longos 40 min, e sem corrente, resolvemos ir empurrando; montar nas descidas; patinar nas retas, e, asim, poder chegar antes do fim da cronometragem.Começamos uma longa caminhada e todos nos passavam.Certamente chegaríamos além do tempo: não tinha mais medalha... e muito menos o tão sonhado pódium.Tudo por causa de uma
porcaria de corrente marca"IG"colocada na sexta-feira.Mas seguíamos empurando...nada de descida.Nenhuma descida! Patinar era impraticável, já que o Henrique não podia fazê-lo. A única certeza que tínhamos era que iríamos a pé e empurrando até a chegada; jamais entraríamos num resgate.Muitos ofereciam ajuda, mas não havia o que fazer.A Rívia nos incentivou um bom tempo....O sol de meio-dia estava forte.As sapatilhas já estavam arrochando os dedos.A água estava no fim.Mas... começamos a ver umas plaquinhas: "faltam 8 KM (to go). O ânimo aflorava á medida que nos aproximavam, lentamente, das plaquinhas: "faltam 5 KM (to go)". A Menos de 4 km fomos ultrapassados pelo último de nossa categoria. A agonia do quase-pódium se repetia, agora em 2007. "faltam 3 KM (to go)". E assim íamos empurrando."faltam 2 KM (to go)". Nada de descida.No último Km ví que poderíamos chegar em tempo de pelo menos pegar uma medalha.Então comecei a patinar com uma perna; cansava e patinava com a outra; parava; patinava com a esquerda; agora com a direita .... finalmente avistamos a reta de chegada (um pequeno declive) mais patinadas e cruzamos em tempo e em último lugar da categoria. Ficamos felizes com a recepção, com a medalha, com a festa e alegria contaginate dos Rebas; mas frustrados porquê uma corrente nos tirou o pódium.
Depois de sair o resultado resolvi checar nossa classificação final; fui atrás do regulamento; conta prá lá; conta prá cá ,e, numa combinação astrológica tal qual a de uma eclipse, empatamos com 37 pontos no 5º lugar! (opa! putz!pódium!??!) e, melhor ainda, no dia anterior (critério de desempate) ficamos na frente deles: PÓDIUM!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! era mais um PODIUM dos REBAS.

Até a próxima, Lincoln.

Marca registrada Rebas do Cerrado - Nota de rodapé do site
Webdesigner: Débora Alves

A primeira versão deste site foi construída por Eliézer Roberto Pereira , Bob King, um dos fundadores do Rebas do Cerrado que infelizmente nos deixou em dezembro de 2004.

Posteriormente o nosso amigo Marcelino Brandão Filho, também fundador e coordenador do grupo por 6 anos, desenvolveu com dedicação ímpar uma nova versão. Marcelino faleceu em julho de 2013 e além do site deixou entre outros legados importantes a padronização dos procedimentos de operacionalização e condução dos eventos Rebas.

Mantemos a página principal o mais próximo possível do desenho original em homenagem aos dois fundadores.

As marcas Rebas® e Rebas do Cerrado®, bem como o logotipo® do grupo Rebas do Cerrado são Marcas Registradas® pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial(INPI), com todos os Direitos Reservados.