Vejam um ciclista, ele gosta de ajudar as pessoas e de preservar a natureza

Olá Visitante
 



 
Depoimentos



Autor: Lilia Oliveira
Data: 20Out2008
Fonte: E-mail

Título: Depoimento IRON

Pessoal, Gostaria de ser uma grande escritora ou poetisa para poder expressar exatamente todos os meus sentimentos em relação ao Iron Bike!! Mas, vamos lá, do jeito que sair, saiu:

PARTE 1 - COMO TUDO COMEÇOU

Meu esporte é o remo. Treino de 2a a 6a, e eventualmente aos sábados. A Mountain Bike apareceu em minha vida ano passado, através da Raquel, nas aulas de spinning. Minha parceira de remo foi a primeira a animar e logo comprou a sua bike.

Em maio de 2007, uma amiga nossa em comum estava completando 30 anos e decidiu comemorar pedalando. Como eu fazia remo, competia e possuia um bom condicionamento físico, decidi me aventurar em mais uma modalidade. Porém, não possuia bike. Me lembrei de um amigo que tinha uma MB parada na varanda do ap. Pedi emprestada para poder fazer o meu primeiro passeio de bicicleta, comemorando os 30 anos dessa amiga. Fomos para a Chapada. Levamos as bikes e pedalamos de São Jorge até a cachoeira São Bento (ida e volta). Lindo, maravilhoso, tranquilo! Então, em junho 2007, decidimos fazer o nosso segundo "passeio".

E foi aí que os primeiros sintomas de loucura começaram a apontar em mim. Um grupo de 5 pessoas do remo resolveu sair daqui rumo à Fazenda de um deles, perto de São João da Aliança, em direção à Chapada. Foram 180 km bem sofridos! Nesse dia, quase chegando, paramos em uma pamonharia, e chorei pela primeira vez! "Que eu tô fazendo??!!! " A essa altura, o grupo de 5 não era mais cinco, pois um integrante desistiu com 80 km. E eu, no meio dos homens, que já tinham pedalado até Itacaré, passei boa parte do percurso sozinha, subindo, subindo, em direção à Fazenda! Mas, cheguei! E foi a primeira sensação de superação total! Acredito que alí, iniciou a contaminação. Depois disso, fizemos o Superando Limites do ano passado. Que maravilha!!! Foi muito mais tranquilo que a viagem à São João da Aliança! Lembro que subi todas as subidas sem precisar descer da bike, e isso foi mais uma vitória para mim (lembram daquela subida saindo de Corumbá?!!). A última pedalada, foi um tal de Rally de Regularidades ( o Fábio, que estava no Iron esse ano também esteve lá).

A partir daí, me toquei que eu precisava de minha própria bike, adaptada ao meu tamanho, com pneus novos, pois a bike de meu amigo já estava precisando de um up grade geral!

Acontece que esse ano, meu tempo ficou muito curto, muito trabalho, meus treinos de remo, meus filhotes para cuidar, e nada de pedalar! Acabei comprando a bike do Helinho, mecânico da Federal Bike e precisava botar ela pra rodar. Foi quando tive a insana idéia de participar do Iro (os sintomas da loucura aumentavam). Então, aproveitei o mês do meu aniversário e o da minha amiga, parceira do remo e todos os pedais, para fazermos como no ano passado, quando demos o nosso primeiro pedal em comemoração aos 30 anos daquela outra amiga.

MAs dessa vez, eram os nossos 30!! Decidimos então nos inscrever na categoria Dtur -dupla turismo - achando que seria um "passeio", turismo em Ouro Preto e Mariana! Convidamos uma nova amiga do remo, que passou a utilizar a "minha antiga Bike" (aquela que precisava de up grade geral!!).Massa! Irado! Tirei dois dias de férias e fomos na quinta feira, as três rumo à Ouro Preto!! Eis que começa a minha jornada do Iron Bike 2008!!

PARTE 2 - IRON BIKER 2008 - um capítulo a parte na minha história de vida

Quinta feira chegamos em Ouro Preto super bem, viagem foi tranquila! Fomos comer em um barzinho ao ar livre, na praça Tiradentes em Ouro Preto e retomamos cedo à pousada para descansarmos.

Para desespero geral das três amigas, levantei 5 vezes durante a madrugada para vomitar!! Até não ter o que vomitar. Meu corpo doia de não conseguir ficar deitada na cama. Chorei. De dor, de frustação, de medo. Minha amigas companheiríssimas me levaram à UPA ( uma espécie de posto/hospital da cidade). Fiquei a manhã inteira de sexta feira internada, tomando soro e buscopan na veia. Que momento sofrido...Recebi alta ( ou melhor, fui recuperada, pra não dizer sequestrada, pelas minha amigas) e passei o resto de sexta feira deitada na pousada, tentando me recuperar, tomando soro e dormindo. No hospital, eu já tinha colocado na minha cabeça que eu ia melhorar! Que eu ia fazer o Iron!!

Nada melhor do que a força do nosso pensamento!! A minha cabeça me curou!! E sábado, adrenalizada, fomos largar, no meio de tanta gente e bicicleta ( segundo a Dani, parecia Micarê candanga!!). Passados uns 300m, vejo aquele negócio que prende a roda, que passa pelo cubo, caindo.. O pino que prende havia sumido ( sexta feira passei o dia lesada de buscopan e em recuperação: não revisei a bike antes de largar. amadorismo dá nisso!!). Aí pronto! Será que era um sinal divino? Será que eu estava sendo maluca de pedalar o Iron, depois de passar o dia desidratada? ! Porém, um anjo de motocicleta e capacete apareceu e perguntou o que estava acontecendo, pois estavam as três paralisadas, sem saber o que fazer! Contada a história, o anjo falou: -"Cê peraí um cadinh, quevou lá em cas buscá um pino pra´ocê. Eu tb pedalo, uai!"

Passados uns vários minutos, as três sozinhas e um fiscal de prova pressionando, dizendo que tinha que fechar o grupo e que a gente tava ficando muito pra trás e tal.. e a gente na maior serenidade e calma, que eu não sei de onde vieram, pacientemente dizendo para ele esperar um pouquinho que tudo ia dar certo!.

Recebemos o presente do nosso anjo e .. VIVA! não seriam os vômitos, o piriri, o pino.. que nos fariam perder o passeio, a comemoração!

Um pequeno detalhe acrescento aqui como um grande dificultador durante o percurso: era a primeira vez que utilizava sapatilhas!! Não preciso nem dizer o resultado dessa outra insanidade, né?! POis é: vários tombos! Roxos que eu nunca imaginei serem possíveis de ter em meu corpo. Em um dos meus tombos, caí de joelho na quina de uma pedra! Resultado: dois joelhos em uma perna só!!

Tudo bem... aquela altura, nada mais poderia dificultar a minha jornada!! Foram 6 horas e meia de pura concentração, contemplamento, superação, dor, alegria, chingamentos vários, muitas fotos, êxtase total!!! Durante o percurso, cada uma de nós três, decidiu-se sigilosamente, que não era preciso fazer o 2º dia. Afinal, o nosso objetivo era festejar, comemorar, "passeiar de bicicleta".

O IRON me deixou de presente sentimentos de muita coragem, força, sagacidade, companheirismo, fé e vontade, de no próximo ano, pedalar constantemente e poder fazer o meu segundo IRON, preparada, adaptada às sapatilhas, e determinada a pedalar os dois dias!!

Apesar de não ter ficado junto à galera do rebas, quero agradecer a todos e dizer que senti muito orgulho de estar usando a verdinha!!

Abraço forte e espero poder vê-los mais constantemente aos domingos!!

Lilia

Marca registrada Rebas do Cerrado - Nota de rodapé do site
Webdesigner: Débora Alves

A primeira versão deste site foi construída por Eliézer Roberto Pereira , Bob King, um dos fundadores do Rebas do Cerrado que infelizmente nos deixou em dezembro de 2004.

Posteriormente o nosso amigo Marcelino Brandão Filho, também fundador e coordenador do grupo por 6 anos, desenvolveu com dedicação ímpar uma nova versão. Marcelino faleceu em julho de 2013 e além do site deixou entre outros legados importantes a padronização dos procedimentos de operacionalização e condução dos eventos Rebas.

Mantemos a página principal o mais próximo possível do desenho original em homenagem aos dois fundadores.

As marcas Rebas® e Rebas do Cerrado®, bem como o logotipo® do grupo Rebas do Cerrado são Marcas Registradas® pelo Instituto Nacional de Propriedade Industrial(INPI), com todos os Direitos Reservados.